CONTOS DE FADA

Eu estava outro dia contando um destes contos infantis a minha filha e ao final da narrativa ela me perguntou:

 – Eles foram felizes para sempre, sempre?

 – Hum?.. Como assim? Eles foram felizes para sempre e fim!

 – E depois? – perguntou ela – Depois do para sempre? Eles continuaram felizes?

 Bem eu perdi um tempinho explicando a ela o que queria dizer para sempre e então ela se deu por satisfeita e foi dormir.

 Mas eu não consegui dormir. Eu havia ouvido todas aquelas estórias da carochinha desde pequeno, várias vezes e nunca me fiz esta pergunta: Será que realmente os heróis das estórias ficaram felizes para sempre? Bem, naquela noite não consegui dormir e no dia seguinte na repartição eu comentei o fato com alguns colegas e estes zombaram de minhas dúvidas.

 – Faça-me o favor Almeida !!

 – Não.! É sério. Eu preciso saber…

 – Meus Deus! Deve ser a idade. Você precisa de umas férias.

 Eu não consegui trabalhar direito aquele dia e passei muito mal a semana, mas no sábado, disse a minha esposa que precisava fazer uns serviços extras e me enfiei na biblioteca nacional, lá consegui todos os contos de fada no original (cópias) e pus-me a pesquisar todos os antecedentes dos principais personagens dos contos infantis.

 Li tudo sobre os autores daqueles relatos que eram tidos como estórias da carochinha e descobri, depois de muita pesquisa, que na verdade as estórias, ao contrário do que se pensa, não são coisas saídas da imaginação dos autores e sim fatos reais, às vezes um pouco deturpados ‚ claro, para dar mais charme e emoção as estórias, mas dados os devidos descontos, se pode com certeza apurar a verdade em cada conto. Eu passei aquele primeiro final de semana, “plantado” na biblioteca e mais alguns subseqüentes também. Fui anotando em um bloco todos os detalhes importantes, até‚ que esgotei tudo o que podia conseguir sobre todas as estórias. Analisando o que reuni de informações, consegui chegar a uma conclusão sobre o pós-final de todas as estórias, e descrevo alguns logo a seguir:

 Os Três Porquinhos.

 Logo após terem assassinado cruelmente o pobre lobo, a quem chamavam de lobo mau, os três menores foram acusados de crime premeditado, pois sabiam que a vítima fazia suas visitas de maneira exótica, entrando pela chaminé‚ e lhe prepararam uma armadilha com água fervente, onde o lobo teve seu trágico fim. Os três porquinhos foram condenados e encaminhados a um reformatório para porcos delinqüentes. Cumpriram somente parte da pena, pois depois de um ano e meio foram atacados pela onda de peste suína que assolou área e faleceram.

 João e o Pé de Feijão.

 Caso típico de adolescente desviado. João após furtar toda as economias de sua pobre mãe e vender uma vaca, que era o único bem de sua progenitora, comprou algumas sementes com as quais teve acesso ao lar do gigante, onde novamente praticou um furto, levando consigo a única coisa de valor que o pobre gigante possuía: uma galinha dos ovos de ouro. João na fuga com o produto de seu furto foi perseguido pelo gigante que simplesmente queria reaver seu patrimônio, mas João não pensou duas vezes, derrubou o pé de feijão onde o gigante estava, causando a morte deste. João foi acusado de furto e assassinato, a galinha dos ovos de ouro morreu, pois a mãe de João forçava a infeliz a pôr vários ovos por dia, de forma a tentar pagar um bom advogado para o filho. João se enforcou na cadeia onde deveria cumprir pena de 25 anos, sua mãe ficou louca e viveu seus últimos dias correndo atrás de todas as galinhas que via na rua, tentando fazer com que elas pusessem ovos de ouro.

 A Bela Adormecida.

 Depois de ter assassinado a pobre bruxa que sob a forma de um dragão protegia o castelo de bela adormecida, o príncipe, foi condenado a trinta anos de cadeia. Bela adormecida, traumatizada com o ocorrido com seu amado e pseudo-salvador, ficou louca e foi morar junto com a família em um humilde casebre, já que seu pai o ex. rei, foi à falência, pois quando todo o reino entrou em sono profundo para aguardar que bela adormecida acordasse, ninguém lembrou de apagar as luzes. Resultado: A conta veio num valor astronômico e o rei vendeu tudo o que tinha e o que não tinha para saldar a dívida.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s