DETETIVE – CAPÍTULO 29

O caminho estava deserto por ali, enquanto Eli voltava de sua ronda nas proximidades da chácara de Tom. Estava um pouco de calor e o suor escorria pelo rosto dele.

        Ao lado da estrada estavam apenas matagais e árvores que não serviam nem pra fazer sombra.

        Porém, num súbito momento, Eli pensou ter visto alguém entre os matos. Sua mão automaticamente alcançou o coldre.

        Eli já havia enfrentado situações parecidas e perguntar quem estava lá não era bem a idéia.

        Rapidamente, o capanga pulou e se escondeu atrás de uma árvore. Seus ouvidos estavam atentos e seus olhos reviravam-se de um lado para o outro.

        Cautelosamente, Eli tentou olhar para um lado, mas neste momento sentiu como que se seu ombro tivesse pegado fogo. Olhando para este viu que havia levado um tiro.

        Uma sombra se levantou de trás dos matagais com uma arma silenciosa nas mãos. Um homem alto e robusto com uma máscara cobrindo o rosto.

        Eli saiu da proteção da árvore e atirou em desespero, mesmo sentindo seu braço se contorcer.

        O homem se abaixou, mas um tiro pegou de raspão seu rosto e rasgou um pedaço da máscara.

        Eli não perdeu tempo e correu mata adentro.

        Rapidamente, o homem mascarado seguiu-o.

***

        Jonas entrou no quarto. Já estava com tudo pronto para falar com Lucas.

        Quando entrou viu Jefferson e Josafá junto à ele contando piadas.

        ”Tenho um serviço pra vocês dois”, disse Jonas encostando a porta. ” Quero que vocês vão até a chácara onde Nathalye está e descubram se ela sabe de alguma coisa. Se ela disser ter visto qualquer coisa suspeita, tragam-na imediatamente. Ainda não sabemos se o assassino está pensando em acabar com os entrevistados”

        ”Está bem!”, disseram os dois quase que na mesma hora.

        ”Lucas, quero falar com você”

***

        Um vento ou algo parecido começou a movimentar alguns galhos perto de Eli.

        Eli apertava o ferimento para estancar o sangue, mas não estava adiantando muito.

        ”Não pode ser!”, pensou ele. ”Quem é esse cara?”

        De repente ouviu-se um barulho de um galho quebrando. O coração de Eli acelerou. Não podia ficar fugindo para sempre. Com um pouco de dificuldade, Eli começou a carregar a sua arma.

        ”Venha e eu vou lhe mostrar porque me chamam de o gatilho do oeste”

        Porém, neste momento uma das balas do revolver caiu no chão e fez um barulho muito perceptível.

        ”Ele vai me descobrir!”, pensou Eli.

        Sem pensar nem por segundo, Eli saiu detrás da árvore em alta velocidade, mas quando foi olhar para trás, tropeçou em um galho e caiu no chão.

        ”Argh!Ai!”, gritou ele.

        Seu pé havia torcido.

        Mesmo com toda dor, Eli se levantou com extrema dificuldade e começou a andar.

        Mas, por causa do temor, Eli não percebeu o homem de mascara apontando a arma em sua direção.

        A bala ultrapassou as plantas silenciosamente. Sequer ouviu barulho. Rapidamente Eli estava sobre o chão. A bala havia perfurado seu fígado.

        O homem se aproximou do corpo. Mas foi surpreendido por Eli que tentou furar seu pé com galho. Infelizmente, a tentativa foi sem sucesso.

        Eli já não estava enxergando direito. As batidas do seu coração estavam lentas. Estava muito ruim para respirar.

        Mas neste instante, o homem de mascara pareceu incomodado com o ferimento causado pela bala de Eli e tirou a mascara.

        ”Mas este homem…”, pensou Eli. ”Onde foi que vi este homem?Espere… foi… foi… ele…na chácara… na chácara de Graça…”

        O homem recolocou a mascara e apontou novamente a arma para Eli. Depois apertou o gatilho…

***

        ”Lucas”, começou Jonas. ”Eu vou falar algo e já sei que você não vai gostar”, Jonas respirou. ”Você está fora da missão a partir de agora”

        Lucas olhou assustado para Jonas.

        ”Como?”, questionou ele. ”Me diga que isso é mentira!”

        ”Não é mentira”, falou Jonas secamente. ”Hoje á tarde, você será escoltado por Richard e James de volta ao quartel”

        ”Mas por quê?!”, perguntou Lucas demonstrando a surpresa.

        ”Isso é para seu próprio bem”, explicou Jonas. ”Queremos que você fique seguro, porque nesta situação que você está não pode fazer nada para ajudar e ainda pode cair fácil nas mãos do assassino”

        ”Você não pode fazer isto comigo Jonas”, Lucas estava ficando nervoso. ”Eu preciso acabar com este assassino! Por João!”

        Jonas não deu atenção e andou em direção da porta.

        ”Desculpe”, disse Jonas abrindo a porta. ”Já me decidi, e isto será feito de um jeito ou de outro”

        Dizendo isto, Jonas fechou a porta.

        ”Não pode fazer isso!!”, gritou Lucas desesperado. ” Você não é nada aqui! Nada! Não faça isso! Não faça! Jonas!”

***

        Beatriz, Bruna e Thais haviam acabado de chegar quando Jonas descia a escada.

        ”E então”, perguntou ele. ”O que Joana disse?”

        ”Jonas”, falou Bruna. ”Joana está morta”

CONTINUA…

Por Naor Willians

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s