O VINGADOR NEGRO – JUSTIÇA TARDIA, MAS INFALÍVEL – CAP.25

Francisco e Lupito mergulharam bem fundo. O menino que vira D.Gabriel indo para o fundo e Francisco que fora atrás do filho achando que era imaginação.

Em certo momento Lupito olhou para trás e viu seu pai. De repente Lupito apontou em uma direção e o pai do menino viu o corpo de descia devagar até o fundo do rio. Resolveu então a nadar e a salvar o homem. Era D.Gabriel.

Já com o ar lhe faltando Francisco pegou o homem e o levou para a superfície, onde com a ajuda de Lupito colocou na jangada. Imediatamente fez os procedimentos de primeiros socorros. Foi quando D. Gabriel deu três tossidas, voltando à consciência. Quando viu Francisco quis levantar-se, mas este o empurrou de volta.

– Homem, descanse um pouco. Por muito pouco você não morreu afogado.

– D. Gabriel tossiu mais duas vezes e disse para Francisco:

– Obrigado senhor. Estou em dívida.

– Se está em dívida não é comigo e sim com meu filho Lupito.

D. Gabriel olhou para o outro lado e viu o pequeno moleque daqueles que são baixinhos e tem aquele corte estilo dos índios brasileiros. O mesmo sorria bastante e disse.

– Tio o senhor escapou de uma boa. Se não tivesse lhe visto…

O menino falou de uma maneira tão autêntica que D. Gabriel riu.

Depois foram para a orla e D. Gabriel ficou descansando mais um pouco na casa deles que ficava na margem do rio.

D. Gabriel ficou como hóspede até recuperar as forças, foi quando resolveu ir embora.

– Francisco te agradeço muito por tudo e a você Lupito, agradeço por ter salvo a minha vida, mas tenho que ir. Vocês tem minha palavra que a partir de hoje viverão da forma que gostam, mas não mais lhe faltará nada nunca. Dou-lhes minha palavra.

Perto dali…

– Estou sentindo o cheiro de fumaça. Mas não é cheiro de folhas queimadas. Alguém tem uma fogueira acesa aqui por perto – disse Jerry.

O bandido andou mais à frente e localizou a casa onde estavam os mais novos amigos.

Neste momento Lupito saiu pelo outro lado para pegar água no rio. A fogueira crepitava na frente da casa iluminando até o rio.

– Pois é, mas não vai levar isto?

Francisco mostrou o traje do Vingador Negro para D. Gabriel.

-Isto estava preso em sua cintura quando o encontramos.

– Francisco, isso é uma longa história – disse D. Gabriel olhando nos olhos do homem.

– D. Gabriel eu vou pouco à cidade mas das vezes que fui ouvi relatos que tem um homem que procura ajudar a lei que se veste todo de negro. Não precisa falar nada, aqui seu segredo está salvo. Tem minha palavra.

– Eu te agradeço muito Francisco. Tenho medo de pôr em risco a vida das pessoas que convivem comigo, por isso luto dessa forma.

– Eu sei, não se preocupe. Agora entendo tudo. Vá lá atrás da casa e veja o que tem para você.

Um minuto após D. Gabriel sair da sala, o facínora entra em posição a dar uma gravata mortal em Lupito.

– Parado ai homem, ou mato o garoto.

Francisco ao ver Lupito, fez menção de atacar mas o bandido pegou as duas mãos e disse:

– Se você der mais um passo eu quebro o pescoço dele.

Francisco ficou arrasado e teve que obedecer.

– Tudo bem senhor por que faz isso?

– Cale-se. Quero comida e whisky já!

– Senhor não tomo essa bebida. Vivo do trabalho no rio tenho só suco de frutas.

– Você deve estar brincando comigo.

– Não senhor, é a verdade.

Atrás da casa, momentos antes…

– Eu nem estou acreditando no que estou vendo. Meu cavalo e minhas coisas. Francisco deve ter pego durante o período que cai no mar. Ele deve ter vindo sozinho para cá.

Quando ia voltando para agradecer, ouviu a conversa dos dois…

– Então traga logo essa praga de peixe se não quiser que eu mate o moleque e nem pense em fazer algum truque – disse Jerry

– Sim senhor

D. Gabriel rapidamente vestiu as roupas de Vingador Negro e pegou o chicote que estava no cavalo.

Neste momento…

– D. Gabriel me ajude, ele vai matar Lupito – Disse Francisco desesperado.

– Eu não vou deixar, mas volte para dentro e faça o que ele mandar. Ele não pode suspeitar que estou aqui.

– Certo.

O Vingador deu a volta na casa por fora cautelosamente sem que Jerry notasse nada.

Ao chegar próximo à fogueira, pegou o balde cheio d’agua que Lupito fora pegar no rio quando foi capturado.

Aproximou-se da janela e enquanto o homem comia, Lupito olhou em uma oportunidade na janela. Mostrou o balde e o pé. Imediatamente Lupito entendeu.

Jerry comia avidamente um peixe assado quando…

As luzes da fogueira apagaram deixando somente a luz da lua banhando a casa.

Lupito deu um pisão no pé de Jerry e esse gritou. Lupito rapidamente se desvencilhou do bandido e correu para fora. Francisco correu por trás e fechou a porta. Jerry atônito correu para fora e sentiu uma forte chicotada estalar em sua costa.

CONTINUA…

Por Alci Santos

Anúncios

2 comentários sobre “O VINGADOR NEGRO – JUSTIÇA TARDIA, MAS INFALÍVEL – CAP.25

  1. kkkkkkkkkkkkkk!! Esse Lupito é muito massa, o VN também não fica para trás. E agora, Jerry vai ter o que merece…
    E quanto ao Crossing Over, estarei ai se quiser me contactar.
    Um mega abraço!!
    Fui!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s