VÁ DORMIR BRUCE – PARTE 3 DE 3 – FINAL

– Bruce, acorde. Você tem visita.
Foi a voz que o trouxe de volta. Mas a luz no local ofuscou seus olhos e ele levou a mão
ao rosto para amenizar. Só então notou que a beliche e a cela tinham sumido, ele estava numa sala totalmente branca, vestido de branco, deitado em uma cama branca.
Uma moça de rosto amigável o chamava.
– Onde está? Onde está o Ary?
– Bruce, você foi transferido para cá. Não se lembra?
– Eu… – ele apertou os olhos – Por que? – Você matou o Ary, Bruce. Já faz 6 dias.
Ele sentiu um choque transpassar seu corpo inteiro.
– Por isso te transferiram para essa clínica. Você precisa de tratamentos. Você precisa de ajuda.
– Eu nunca… Ele era meu amigo.
– Eu sei. Não foi culpa sua. Você fez o que precisava fazer. Agora venha, você tem visita.
Bruce levantou e a moça lhe deu alguns bolinhos de chuva enquanto avançavam para uma sala mais ampla onde vários loucos se espalhavam ao redor como vespas. No meio de todo alvoroço, ele enxergou Ray. Sim, era seu grande amigo. Com o casaco de couro, a calça jeans e a camisa azul.
Bruce correu ao seu encontro e o abraçou. Ray retribuiu o abraço.
– Como você está?
– É bom vê-lo – Bruce sorriu, trêmulo.
– Eu soube de tudo. É terrível que a situação tenha se tornado pior.
Bruce abaixou os olhos.
– A Denise virá vê-lo amanhã – comentou Ray.
O rapaz ficou surpreso.
– Então… Ela…
– Ela não está com raiva. Você fez o que precisava fazer.
Ela não estava morta? Bruce abriu um leve sorriso. Então era verdade. Ele não era um assassino.
– Todos sabemos que você pensou que o sequestrador estivesse morto, mas descobrir que Ary era o sequestrador. Cara, até eu teria pirado!
Bruce recuou, surpreso.
– Ary… Ele…
– Sim, cara. Não se lembra? O velho Bill contou toda a verdade e até lhe entregou a arma para fazer vingança.
– Eu… – ele apertou os olhos – Não lembro.
Ray tocou seu ombro. Não estava dolorido.
– Não se culpe. Você é um herói – Ray retirou o casaco – Isso é um presente para você.
Bruce tomou o casaco nas mãos e sentiu o couro entre os dedos.
– Mas é o seu favorito?
– Não importa. Você é um herói e heróis ganham presentes. Até mais.
O horário de visitas havia acabado, mas Bruce estava feliz porque logo Denise viria vê-lo.

Bruce acordou. Nem se lembrava de ter dormido. Mas se espantou quando enxergou a beliche acima de si. Saltou para fora da cama, enxergando Ary dormindo do mesmo modo de sempre. Ele estava na cela.
– Não pode ser… Não pode ser! – o rapaz agarrou as grades tentando arrancá-las.
– Que diabos está fazendo, Bruce? – era a voz de Ary.
O rapaz abaixou a cabeça, frustrado.
– Eu pensei que…
– Pegue um chiclete, cara.
Bruce pegou o chiclete e sentou na beirada da cama.
– Então era só um sonho – ele suspirou.
– O que é um sonho?
– Ary, eu matei minha mulher, não foi?
– Claro que não. Ela veio visitá-lo hoje, não se lembra?
– Eu…
– Vá dormir, Bruce. Você está paranóico hoje.
Bruce se deitou e continuou mascando seu chiclete, apertou o casaco de couro contra seu corpo até adormecer novamente.

FIM

Por Ômega Produções

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s