GATO E RATO EM COMPANHIA

Um gato tinha feito amizade com um rato, e o gato tinha falado muito ao rato sobre o carinho e a amizade que este tinha por ele, que por fim o rato concordou que eles deveriam viver e manter a casa juntos.

Mas precisamos guardar alimentos para o inverno, ou então morreremos de fome, disse o gato, e você, ratinho, não pode ficar se arriscando por aí, ou você será pego em alguma armadilha algum dia.

O bom conselho foi seguido, e um pote de banha foi comprado, porém, eles não sabiam onde colocá-lo. Finalmente, depois de muito pensar, o gato disse:

Não conheço melhor lugar para armazená-lo do que na igreja, pois ninguém se atreve a levar nada embora dali. Nós o colocaremos debaixo do altar, e não o tocaremos até que realmente estejamos precisando dele.

Então o pote foi colocado em segurança, mas não se passou muito tempo e o gato achou que precisava dele, e disse para o rato:

Quero dizer-lhe uma coisa, ratinho, meu primo trouxe um filhinho para o mundo, e ele me pediu para que eu fosse o padrinho, ele é branco com manchas escuras, e eu devo segurá-lo durante o batismo. Deixe-me ir hoje e você ficará cuidando da casa sozinho.

Sim, sim, respondeu o rato — pode ir, e se você conseguir alguma coisa muito boa, pense em mim, eu gostaria de tomar um gole de vinho doce e tinto de batismo também.

Tudo isto, no entanto, era mentira, o gato não tinha primo, e nunca havia sido convidado para ser padrinho. Ele foi direto para a igreja, roubou o pote de banha, começou a lambê-lo, e comeu toda a manteiga que ficava na parte de cima do pote. Então ele decidiu fazer um passeio pelos telhados da cidade, buscar novas oportunidades, e depois ficou esticado no sol, e lambia os bigodes sempre que pensava no pote de banha, e somente quando anoiteceu é que ele voltou para casa.

Bem, você está aqui de volta, disse o rato, — sem dúvida você teve um dia alegre.

Tudo foi bem, respondeu o gato.

Que nome foi dado para a criança?

Em cima já era! disse o gato bem tranquilamente.

Em cima já era? gritou o rato, — esse é um nome muito original e incomum, ele é comum na sua família?

O que significa isso? disse o gato, — não é pior do que Ladrão de migalhas, como chamam os seus afilhados.

Não passou muito tempo e o gato foi tomado por um outro acesso de saudade. Ele disse para o rato:

Você precisa me fazer um favor, e mais uma vez administrar a casa sozinho por um dia. Fui novamente convidado para ser padrinho, e, como a criança tem um anel branco ao redor do pescoço, não posso recusar. O bom rato concordou, mas o gato subiu por trás das paredes da cidade e foi até a igreja, e devorou metade do pote de banha.

Não há nada melhor do que algo que se guarda para si mesmo, disse ele, e estava muito satisfeito pelo seu dia de trabalho. Quando ele chegou em casa o rato perguntou:

E com que nome a criança foi batizada?

Metade já foi, responde o gato.

Metade já foi? O que você está dizendo? Nunca ouvi esse nome em minha vida, aposto qualquer coisa que ele não está no calendário!

A boca do gato logo começou a verter água por mais algumas lambidas.

Todas as coisas boas acontecem três vezes, disse ele, — fui convidado para ser novamente padrinho. A criança é bem negra, tem apenas as patas branquinhas, mas só essa diferença, ela não tem um único pelo branco em todo o corpo, e isso acontece apenas uma vez todos os anos, você vai me deixar ir, não vai?

Em cima já era!, Metade já foi! Respondeu o rato, — esses são nomes estranhos, e me fazem ficar preocupado.

Você fica em casa, disse o gato, — com seu fraque de pele cinza escuro e de cauda longa, e fica imaginando coisas, é por isso que você não sai durante o dia. Durante a ausência do gato o rato limpou a casa, e colocou tudo em ordem, mas o gato guloso esvaziou totalmente o pote de banha.

Quando tudo tiver acabado eu vou conseguir sossegar um pouco, disse para si mesmo, e bem alimentado e gordo ele não voltou para casa até o anoitecer. O rato de imediato perguntou qual era o nome que haviam dado para a terceira criança.

Ele não vai lhe agradar mais do que os outros, disse o gato.

Ele se chama Acabou tudo.

Acabou tudo? gritou o rato, — esse é o nome mais bizarro que eu já vi! Nunca vi esse nome nem impresso. Acabou tudo, o que isso pode significar? E ele balançou a cabeça, se enrolou todo, e deitou para dormir.

esse dia em diante ninguém convidou o gato para ser padrinho, mas quando o inverno chegou e não havia mais comida fora para comer, o rato se lembrou do que tinham guardado, e disse:

Venha aqui, gatinho, iremos até o nosso pote de banha que nós guardamos em caso de emergência — e vamos nos deliciar com ele.

Sim, respondeu o gato, — você irá se deliciar assim como você se delicia colocando a sua língua delicada para fora da janela. Saíram em seguida, mas quando chegaram, o pote de banha certamente ainda estava no lugar, mas estava vazio.

Meu Deus, disse o rato, — agora estou vendo o que aconteceu, agora tudo ficou bem claro! Você sim é um verdadeiro amigo! Você devorou todo ele quando você foi convidado para ser padrinho. Em cima já era, depois Metade já foi e depois…

Quer segurar a sua língua, gritou o gato, — nem mais uma palavra, ou eu comerei você também.

Acabou tudo e já estava com o pobre rato nos lábios, mal ele tinha falado isso quando o gato pulou em cima do pobre rato, cercou-o e o engoliu todinho.

É, meus amigos, esses são os caminhos do mundo.

Por Irmãos Grimm

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s