PETIT – OCTÓPUS – CAPÍTULO 1


Tucson, staff da polícia local…

– Como assim, o tenente Rick? Ele passou o dia inteiro comigo. Isso está me cheirando a Octópus – falou o capitão Frank.

– Mas não tenho dúvida que foi ele, ou então tem um irmão gêmeo.

– Martin, você tem certeza que está bem?

– Pare com isso Frank. É claro que estou no meu juízo perfeito.

– Isto está muito estranho. Se ele passou o dia aqui do meu lado e você disse que foi ele quem roubou, então alguém se fez passar por ele – pensou alto o capitão Frank

De repente alguém bate a porta.

– Entre! – permitiu o capitão Frank

– Correspondência senhor! – bradou um cabo ao entrar no recinto fazendo continência.

– Descansar! Me passe a correspondência.

– Aqui está capitão.

O capitão Frank pega a correspondência e quando vai colocá-la sobre a mesa um pequeno envelope cai sobre a mesma.

O envelope tinha uma figura de polvo estampado no rosto. O capitão Frank então entendeu tudo. Abriu o envelope e leu o bilhete que havia dentro:

– “Congratulações por sua pouca inteligência. Octopus.”

– Hum, agora está tudo fazendo sentido Martin. Leia! – disse o capitão Frank com um meio sorriso estendendo o braço para que o comandante Martin pudesse pegar o bilhete.

– Agora que sabemos com quem estamos lidando, podemos colocar alguém a altura no caso.

– E quem seria essa pessoa Frank? – perguntou curioso o capitão Martin

– Você já ouviu falar da Columbo’s Agency Detectives Martin?

– Não é aquela agência que tem aquele mascarado que se acha o máximo? – perguntou o capitão Martin

– Sim, e tem outros máximos cada um em seu papel.

O capitão Frank sorriu  e pegou o telefone.

– Alô? Petit? É com você mesmo que quero falar e é pra ontem.

CONTINUA…

Por Alci Santos

OS FATOS DESTE CAPÍTULO OCORRERAM ENTRE HANK E ARANHA NEGRA PUBLICADOS NO BLOG LBN DE NAÔR WILLIANS

Anúncios