12º DP – CAUSA DESCONHECIDA – CAP. 06


Assim, os dois parceiros, pediram desculpas para a mulher e saíram. Mais tarde, no 12º D.P.

– Roger estamos decepcionados com essa estratégia que o comando está tomando. Como pôde ter a coragem de não nos avisar que ele estava no caso?

– Calma Will. Eu estava de mãos atadas. Isso foi ordem do chefe e ainda assim vocês e o homem são amigos.

– Claro que uma mente a mais é ótimo para o caso, mas queremos ser avisados para não perdermos tempo – disse Ming seriamente para Roger. Will, que também estava chateado, completou:

– E não somos amigos. Somos apenas conhecidos. Nos falamos apenas uma vez.

Neste momento a porta da sala abre e entra uma figura de preto

– Calma amigos. Eu estou plenamente de acordo com os Detetives Will e Ming.

– Roger. Acho que se eles tivessem sabido que eu estava no caso, nós teríamos combinado uma estratégia melhor.

Roger olha para a figura, que passa por ele e vai falar diretamente com os dois parceiros.

Quando chega até eles, vira-se e diz a Roger:

– Todo mundo sabe que quem resolve a maioria dos casos em todos os distritos de Castle Rock são esses dois Roger.

Se isso não é um problema estratégico, então é uma falta de respeito muito grande.

Will e Ming ficaram de queixo caído vendo aquele homem meio “pançudo” e que usava sobretudo no verão, porém de semblante bem fechado como o daquele herói baseado em morcegos dos quadrinhos.

Roger ficava sempre admirado como ele resolvia casos de delicados quando falava com pessoas estressadas. Talvez fosse verdade que ele tivesse algo a ver com aquela história de encontro com extraterrestres.

Continua…

Por Alcí Santos

 

Anúncios

12º DP – CAUSA DESCONHECIDA – CAP. 05


– Chegou um tempo que nosso relacionamento não estava bom, então ficamos em estresse por uns tempos. Depois fizemos as pazes e ficamos de boa novamente.

– Posso fazer uma pergunta para vocês detetives?

– Claro Sra.July, pode falar – disse Will olhando para a mulher.

– Porque fazem as mesmas perguntas do outro detetive?

– Já apareceu outro detetive aqui do 12º D.P.?

– Quando?
Ming olhou assustado para Will e os dois depois olharam para a mulher:

– Sim, há dois dias veio um homem moreno claro, forte vestido com um sobretudo preto um chapéu, desses de agente secretos das antigas e óculos escuros. Ficou fazendo essas mesmas perguntas.
Depois de ouvir o que a mulher dissera, Ming e Will olharam-se espantados.

– Will, só pode ser ele – vociferou Ming indo em direção à parede da sala e parando abruptamente.

Will nada disse e já sabendo de quem se tratava, mesmo assim perguntou à mulher:

– Qual o nome com que ele se identificou Sra. July?

– Ele disse… Deixe eu ver se me lembro… Detetive… Hum… Almir… Amir… Não, era outro nome… Ari… Lembrei!

– Ele se chamava Detetive Alcí.

Ao ouvir o nome, Ming virou-se e perguntou para Will:

– Mas que droga. Se ele está aqui, então o comando já sabe de tudo isso. Estão nos fazendo perder tempo.

– Vamos voltar para falar com Roger. Acho que ele vai merecer essa “mijada” de nossa parte.

Continua…
Por Alcí Santos

12º DP – CAUSA DESCONHECIDA – CAP. 04


– Na verdade, nem vou esperar esses dados, porque sei que virão incompletos. Ming, vamos, temos que passar na casa da esposa da vítima temos que traçar seu perfil. Roger qualquer novidade, nos avise.

E com isso, saíram os dois detetives e foram encontrar a mulher. Ao chegarem  até a casa tocaram a campainha.

Alguns segundos depois a porta abriu e uma mulher loira  nem gorda nem magra, abriu a porta.

– Sra. July?

– Sim? O que desejam?

– Somos detetives Will e Ming do 12º D.P. e precisamos da sua ajuda para descobrir o que houve com o seu marido – disse Will seriamente mostrando o distintivo.

– Eu já disse tudo para os policiais que apareceram por aqui.

– Agradecemos muito sua colaboração, mas precisamos fazer as perguntas corretas.

Assim, a mulher os convidou para entrar e pediu para que sentassem em um sofá branco.

Os dois obedeceram e July perguntou:

– O que desejam saber?

Will tomou a dianteira e foi logo perguntando:

– Qual era a rotina de vocês dois?

– A rotina era ele ficar fora a semana inteira e passava aqui os sábados e domingos.

– Não houve nenhuma vez que ele veio antes?

– Sim houve algumas vezes que ele vinha antes, mas era muito difícil. Eu pedia para ele não voltar, mas não teve jeito.

Continua…

Por Alcí Santos

12º DP – CAUSA DESCONHECIDA – CAP. 03


– Durante a autópsia notamos que seu tórax estava bem atingido e também encontramos a mesma coisa na parte abaixo do quadril direito possivelmente causados por baque proveniente de queda.

Prosseguindo no seu relatório, o Dr. Pau continuou:

– Já na parte de dentro encontrei rompimento intestinal, coração dilacerado e cavidade torácica cheia de sangue.

Will ouvindo o relato, disse:

– Mas que diabos. Tantos danos por dentro. O que pode causar isso?

O médico olhou para Will e disse:

– Ainda estamos pesquisando, mas trata-se de uma contusão traumática aguda. Achei também uma laceração nos testículos, mas isso com certeza foi causado por um chute naquela região.

Ming que ouvia tudo atentamente permitiu-se a opinar:

– Parece que alguém bateu nele pra valer até o cara não aguentar mais e deixando poucas marcas. Provavelmente foi atingido com algo muito pesado várias vezes. Tá na cara que foi um homicídio.

Roger que ouvira tudo também resolveu falar:

– O interessante é que não havia sinal de luta quando o achamos e estava tudo arrumado. Talvez ele tenha sido pego de surpresa. Os outros hóspedes do Hotel foram entrevistados e ninguém ouviu nada. Pelo que investigamos, ele não tinha inimigos e vivia bem com a esposa.

Will colocou a mão no queixo e disse:

– Quero relatório da vida dele em família e a relação com o trabalho, Roger.

– Já estamos fazendo isso Will. Acho que até amanhã receberemos esses dados.

Continua…

Por Alcí Santos

12º DP – CAUSA DESCONHECIDA – CAP. 02


12º D.P., no dia seguinte…

– A pergunta é: Porque alguém iria matá-lo? Era amigo de todos, trabalhador, não tem ficha em nenhum D.P..

– Sim, Roger, isso é estranho, mas apesar de tudo não podemos descartar morte natural até sair o resultado da autópsia.

– Claro que sim Will e é por isso que chamei você e Ming. Agora já podemos tirar as dúvidas. Chamei o Dr. Paul para nos contar pessoalmente sobre a autópsia.

Will olhou sério para Roger colocando as duas mãos na cintura e disse:

– Porque tenho a certeza que se eu solicitasse isso, seria barrado?

– Porque talvez o chefe tenha alguma restrição sobre você e Ming. Nada pessoal, mas vocês sempre aprontam nos casos e o chefe tem que limpar a barra de vocês e dele também.

– Mas que injustiça. Somos nós que colocamos o nosso pescoço na guilhotina todas as vezes e é ele que sempre janta com o prefeito.

– Não exagere Ming. Apesar de eu concordar com o modo de agir de vocês, temos que dar um desconto para o chefe. Muita gente quer o cargo dele em todos os D.P.s e ele está sempre tendo que se desviar desse tipo de pessoas que forçam a barra para ele ser transferido.

– Você nunca nos falou disso Roger, porque?

– Ming, eu sei que vocês tem muito a se preocupar. Eu não quero que se preocupem com fatos administrativos. Imagine se vocês tiverem que além de pegar bandidos, ter que se preocupar com o chefe. Ele tira tudo de letra.

– Certo Roger, mas deixe ele saber que o apoiaremos caso a situação dele aperte cada vez mais.

– Tudo bem Will eu direi isso para ele. Agora vamos ao Dr. Paul.

Continua…

Por Alcí Santos

 

 

 

 

12º DP – CAUSA DESCONHECIDA – CAP. 01


A emergência chega, mas logo nota que não tem nada a fazer pelo homem.

– Está gelado e não tem pulso – disse um dos paramédicos. Agora é com a polícia.

O 12º D.P. foi contatado e logo os detetives Will e Ming resolveram pegar o caso.

– Hummm. Ming parece que está tudo normal aqui no quarto e nosso amigo aqui não tem feridas segundo o paramédico que o atendeu.

– Observei o homem Will e parece que não há nada que aponte a um homicídio.

– Isso vamos ver depois da autópsia Ming. Agora, viu a porta de vidro?

– Sim Will, notei que ela estava aberta e o trinco não estava travado por dentro.

– Será que tinha alguém com ele aqui? Se alguém tiver entrado, a porta e o trinco o favoreceram para a fuga – expressou-se Ming.

– Veja, ele tem um cigarro um pouco queimado entre os dedos Ming, talvez na hora que ele desabou tenha sido muito rápido.

– Verdade Will. Nem sinal de algum combate há por aqui.

Will vira-se e olha para o paramédico e pergunta:

– Achou alguma documentação?

– O nome dele é William Aron – disse o paramédico lendo a carteira

– Estranho, já ouvi esse nome em algum lugar.

Ming pensou  e chegou a uma conclusão.

– Ele sempre está na TV dando entrevista sobre ações de petroleiros.

– Quem sabe de repente o petróleo pode ter pego ele Will.

Continua…

Por Alcí Santos

 

 

 

 

12º DP – CAUSA DESCONHECIDA – PRÓLOGO


Castle Rock…

Um telefone toca insistentemente dentro de um quarto do  Alfa & Ômega Hotel. No quarto está hospedado o Sr. William Aron. Do outro lado da linha está sua esposa Sra. Abigail Aron. Ela insistentemente ligara a manhã inteira. Ela estava achando a coisa muito estranha pois ele sempre atendia rapidamente seus telefonemas.

No seu trabalho também estranharam o seu não comparecimento, afinal ele é uma das pessoas mais exigentes com a frequência dos colegas.

Seu subordinado mais próximo vai até o hotel e conta o caso ao gerente que colabora imediatamente indo até o quarto em que o Sr. Aron está hospedado.

Os dois homens batem na porta e gritam o nome do homem em questão várias vezes mas não obtêm respostas.

É neste momento que que o gerente do hotel pega sua cópia da chave do apartamento 13 que ficava no térreo do hotel de 10 andares e abre a porta.

Os dois homens entram e o encontram caído ao lado da cama.

Os homens tentam acordá-lo sem sucesso. Então chamam o pronto socorro.

Continua…

Por Alcí Santos