DIMENSÃO T – CAPÍTULO 8


Castle Rock…

– Quem são vocês? Como podem se transformar em jatos?

– Meu nome é Hzw e o do meu irmão ali é T-135 e somos averiguadores da floresta de Castle Rock e vocês?

– Sou Donny e esse é meu amigo Ian. Formamos um grupo chamado C.H.I.L.D.

– Vocês são de Onde? – perguntou Hzw.

– Somos de Washington.

– Estranho o que vocês estão fazendo tão longe de casa? – perguntou T-35

– Viemos atrás de um robô que fugiu de um seminário. Achamos que ele veio pra cá, pois depois dessa cidade não há outras.

– Hummm… realmente ouvimos um barulho estranho mais cedo, mas não conseguimos ver o que era não foi Hzw?

– Sim, vamos ver se a gente o acha. Vamos ajudar vocês a descobrir onde está o robô.

E assim todos foram olhar acima das árvores.

Na delegacia de polícia de Castle Rock, um dos policiais de ronda entra correndo…

– Detetive Dias, precisamos ir urgente ao centro. Um robô está arrasando com a cidade.

– Não recebeu nenhum informe dos meninos, Milton?

– Infelizmente não. Eles devem estar monitorando a floresta.

– Maldito Arbost. Por causa dele nossa comunicação está deficiente. Chame o Subchefe e vamos todos para o centro.

– E o chefe Jailson?

– Ele está fora da cidade em uma missão – disse Lisa com um ar sério.

– Então teremos que avisar os Detetives Martin e Lucas.

CONTINUA…

Por Alci Santos

 

Anúncios

DIMENSÃO T – CAPÍTULO 7


Neste momento, a porta dianteira do carona se abre e de lá sai um homem vestido também de preto e com uma grande caveira no peito. O mesmo também estava usando uma máscara de caveira. Direcionou sua cabeça para Petit e disse:

– Meu nome é Caveira. Às suas ordens.

Petit permaneceu impassível enquanto os meninos do C.H.I.L.D. sorriram pelas duas grandes surpresas.

O Caveira se afastou do carro e postou-se ao lado do Vingador.

Neste momento o Vingador Negro se expressa:

– Somos amigos do Prof. Myran. Combatemos o crime em Austin, no Texas e como estávamos de passagem por Washington ele nos pediu para auxiliá-los, levando-os até a cidade de Castle Rock, então podem entrar ali atrás, no Tornado – disse o Vingador apontando para o carro.

Petit olhou para ele e sorriu, mas na sequência, o Caveira disse:

– Você tem é que parar de imitar os personagens de quadrinhos. Faça o favor de colocar outro nome nesse carro, e não peça isso pra mim, pois você é o proprietário.

O Vingador fechou os olhos e fez o movimento negativo com a cabeça entrando assim no carro com os outros.

Assim, com todos já dentro do carro e com cintos de segurança afivelados, o dono do automóvel disse:

– Ligando turbinas…

– Mapa de Castle Rock ativado, correto?

O Caveira, que estava ao lado, conferia os passos.

– Correto, ativado.

– Combustível suficiente, procede?

– Procede.

CONTINUA…

Por Alci Santos

 

DIMENSÃO T – CAPÍTULO 6


Enquanto isso, bem mais à frente…

– Veja Ian ele está indo para aquela cidade chamada Castle Rock.

– Aquela que no passado era chamada de Xanadú Donny?

– Essa mesma. Nessa cidade ocorrem coisas estranhas.

– Ouvi dizer uma vez que lá existem répteis que andam em dois pés e falam.

– Isso eu já não sei, acho isso muito fantasioso. Onde você escutou isso?

– Naquele dia que aquele detetive de chapéu preto e óculos escuros deu uma entrevista na TV ele disse isso. Como era mesmo o nome dele? Hummm… esqueci.

Os dois garotos que voavam bem á frente chegaram e entraram em Castle Rock pela parte da Floresta. Resolveram descer e no momento em que pisaram o solo, ouviram um barulho estarrecedor.

– Que barulho é esse Ian?

– Sei lá Donny, parece barulho de jatos.

Enquanto isso, muito atrás, mas bem atrás mesmo….

– E então Petit?

– Ele virá nos buscar é um professor e cientista. Ele tem uma nave bem maneira, só que teremos que esperar em torno de meia hora, pois ele está em reunião.

Por incrível que pareça nesse exato momento, um carro no estilo “batmóvel” freou asperamente bem ao lado deles e desceu um homem mascarado todo de preto, mascarado tipo “Zorro”, porém sem capa e com dois revolveres com tecnologia bem avançada para nossa época.

– Olá. Me chamo Vingador Negro.

– Petit que nunca tinha visto tal homem perguntou:

De onde você é?

– Pertenço à cidade de Austin, junto com o meu parceiro que está lá dentro do carro.

CONTINUA…

Por Alci Santos

 

DIMENSÃO T – CAPÍTULO 5


O grande evento da CAD começara e todos estavam atentamente ouvindo o que o palestrista dizia:

– Amigos, fico até emocionado de estar aqui para explicar como funcionará nossa grande aquisição para aumento da segurança.

O homem puxou um fio que abriu uma cortina onde estava um robô em tamanho de ser humano.

– Este é APOLO, o robô que fará a segurança do CAD de hoje em diante. Ele tem força superior a um humano normal. Tem um raio paralisante e também pode voar.

Neste momento, o robô é ligado automaticamente e atira o raio paralisante no capitão Frank. As pessoas correm para se esconder e o pânico é Instaurado.

Rapidamente APOLO vai até o capitão voando e o põe nos ombros, já que ele estava paralisado e a partir daí alcança a saída.

A segurança militar nada pôde fazer.

Neste momento, o C.H.I.L.D. se reúne e correm na direção do robô.

Donny voa na frente junto com Ian que tem o poder dos quatro elementos. Ele transformou-se em ar e passou a ter uma grande velocidade, a velocidade dos ventos.

Nicholas foi junto com os meninos restantes, porque nesse caso ele não seria tão útil., afinal ele é PETIT, o mestre dos disfarces.

Em um determinado momento, Petit achou melhor pararem.

Cougar estranhou.

– Porque paramos? O robô vai escapar.

– Amiguinho, não adianta a gente continuar, pois não temos velocidade, mas vou chamar alguém que pode nos ajudar com isso.

Petit pegou o celular e ligou para um amigo seu.

– Alô, aqui é o detetive Petit, me passe para o Professor Myran.

CONTINUA…

Por Alci Santos

 

DIMENSÃO T – CAPÍTULO 4


– Isso que você fez foi imoral. Espero que você tenha dito para o capitão porque se eu continuar com dor até o fim desse evento, eu mesmo vou dizer pra ele me levar em um médico, aí não sei o que vai acontecer com você.

A menina teve um misto de medo e raiva, não sabia se chorava ou partia pra cima dele, mas ao olhar o pessoal chegando, se retirou correndo para a última fileira.

– Hector o que aconteceu? – perguntou Cougar

– Ela me deu um soco na barriga quando foi me chamar.

– Agora ela está querendo bater em todo mundo, está meio estranha.

– Estranha ela sempre foi, o problema é que ela está ficando pior – afirmou Ian que também estava perto.

– Você vai dizer mesmo pro capitão Donny?

– Se passar Ian, não vou dizer, mas se continuar doendo tenho que falar para o capitão.

Nesse momento, em uma das mesas de convidados, alguém se aproxima do famoso capitão Frank.

– Olá capitão, aqui estou eu como o senhor queria e também doa maneira que o senhor ordenou que eu viesse.

– Ainda bem que você não veio fazer suas palhaçadas aqui.

– Capitão o senhor sabe que isso é os ossos do ofício. Mas eu não estou a serviço hoje.

– Não está a serviço hoje, mas vai ser nosso apresentador Nicholas.

– estou pensando na sua gratificação, mas já aviso que se você sair da linha vai embora com os bolsos vazios.

– Calma capitão, tudo bem, tudo bem.

– No final de tudo vou lhe apresentar uma pessoa.

– Que pessoa é essa? Não vai me prender né?

– Não. Acho até que você vai gostar muito.

CONTINUA…

Por Alci Santos

 

DIMENSÃO T – CAPÍTULO 3


– Na hora você vai ver Hector, agora vá se aprontar.

O garoto correu a seu quarto para vestir-se. O capitão Frank fechou a porta pegou seu celular e fez uma rápida ligação.

– Alô capitão, estou me aprontando para a festa.

– Que milagre é esse de eu lhe encontrar de primeira?

– É porque esse é meu único compromisso hoje.

– Imagino. Faça o favor de vir de maneira convencional hoje pois vou lhe apresentar alguém.

– O que o senhor quer dizer com isso capitão?

– Você me entendeu muito bem.

E assim, o capitão Frank desligou na cara do sujeito.

Mais tarde…

– Capitão, o senhor caprichou neste evento hem?

– Sim Jarbas, mas a organização foi toda sua. Gostei muito de ter contratado um mordomo para a CAD (Columbus Agency Detectives) que seja muito competente.

– Obrigado senhor pela gentileza.

Enquanto isso nas cadeiras do auditório…

– Eu não sei o que esse robô faz Hector, pergunte pro capitão – disse Liv quase gritando.

Hector ia dizer algo, mas ela interrompeu:

– Não vou Hector “entrar na cabeça” do capitão, isso é imoral.

De repente, a menina foi interrompida por um garoto de sua mesma idade.

– Olha Liv. Eu estou sentindo dores na minha barriga pelo soco que você deu de tarde.

– Ai ai, quem manda você me desobedecer Donny?

CONTINUA…

Por Alci Santos

 

DIMENSÃO T – CAPÍTULO 2


Ao olhar para fora viu Donny voando em todas as direções possíveis.

– Donny seu abestado, vem logo aqui.

– Não vou não. Me espera aí.

Revirando os olhos para cima, Liv teve que tomar uma decisão.

Usou novamente seu poder telecinético agora para parar seu voo.

Ao notar que tinha parado de voar e estava imóvel Donny disse:

– Está bem, já vou. Me solta.

– Uma ova Donny, agora você vem à força.

E assim movimentou o garoto até a janela até chegar dentro do quarto, onde o deixou imóvel. Quando cessou de usar os poderes acertou um soco na barriga do garoto.

– Nunca mais me trate com descaso seu merda. Se vista logo e venha, ou eu vou dizer ao capitão Frank que você não está nem aí pra ele.

E dizendo isso, saiu para o quarto dos outros dois…

Enquanto isso, em outro lugar…

– Já terminou de polir o robô, Hector?

– Já sim capitão Frank. Veja como está brilhando.

– Realmente está como novo. Você mereceu seu prêmio.

O capitão tirou do bolso um ingresso para um filme dos vingadores que estava passando no cinema e entregou na mão do menino.

– Uau ganhei o ingresso! – disse ele sorrindo e abraçando-se ao capitão.

– Está bem Hector agora vá se aprontar que em breve os convidados chegam e eu gostaria de lhe apresentar uma pessoa.

O menino curioso, perguntou:

– Quem capitão?

CONTINUA…

Por Alci Santos