O HOMEM IMPOSSÍVEL – JOHN DOE – PRÓLOGO


Um homem acorda de seu sono em uma praia. Ele está totalmente nu. Ele olha em volta como não soubesse o que está acontecendo.

Seus olhos caem em um grande matagal existente após a areia da praia. Ele instintivamente caminha para dentro procurando alguma coisa.

Ele não sabe o quê mas segue em frente. Depois de caminhar quase dois quilômetros ele avista uma cabana.

Andando na direção da mesma chega em frente da porta e nota que está apenas encostada.

                                                   ***

Um homem termina seu trago no bar da cidade. Entra em seu Jeep e segue em frente.

Dirige durante três quilômetros e finalmente chega em casa. Abre a porta e vai ao quarto deixar suas coisas. Entra no banheiro e começa a tomar um banho refrescante.

O celular toca. Ele sai após enxugar-se e atende. Após falar, se veste e sai correndo, entrando no Jeep e saindo rapidamente.

                                                    ***

O homem que acordara na praia, entra então na casa e nota vários itens modernos. Sobe uma pequena escada e no aposento, a primeira coisa que chama sua atenção é um guarda roupa. Pega então uma bermuda e uma camiseta e nota que são bem apertadas para ele e certamente não ia dar certo se ele vestisse, mas algo em sua mente diz para ele seguir em frente e vestir.

Quando ele veste a roupa fica como tivesse sido criada para ele. Ele fica assustado. Imediatamente desce a escada retornando ao térreo. Nota uma TV de 80 polegadas. Estende a mão até ela e a mesma se liga. Ele se assusta novamente.

Caminha de volta para a porta e neste momento vê o homem do Jeep que voltara, entrando na sala e dizendo apontando uma arma para ele:

– Alto lá! O que está fazendo em minha casa?

CONTINUA

Por Alci Santos

O HOMEM IMPOSSÍVEL – A ASSASSINA – CAPÍTULO 3


CBR-HI-ASSAS-C03-(12/09/2012)

Dois dias depois no departamento de casos insólitos…

– É isso ai temos que encontra-la. Ela pode sair matando todo mundo por ai Luan.

-Então vamos Pri. Mas vamos no meu carro.

– Posso lhe pedir um favor?

– Claro Pri, o que é?

– Luan por favor, enquanto não estivermos agindo nas ruas, não faça nenhuma das suas esquisitices.

– Você está com medo de mim Priscila? Eu não acredito no que eu estou ouvindo.

– Deixe de palhaçadas Luan. Eu não quero que outras pessoas presenciem isso. Pode nos afetar de alguma forma. Vamos dar uma volta para ver se nos ocorre algo para iniciarmos alguma investigação.

Os dois saíram caminhando pelos quarteirões. A grande quantidade de pessoas caminhando em sentidos opostos era considerável.

Uma figura esguia espreita pensativa em um beco do outro lado da rua…

“Olha só quem se vê ali. Ela está uma senhora mulher. Aquela silhueta maravilhosa. Ah, Priscila a nossa hora ainda vai chegar e eu vou ficar muito tempo com você. Mas infelizmente vou ter que mata-la depois. Tenho primeiro que me livrar desse fotógrafo sarnento”.

Neste momento….

– Ai!

– O que foi Luan? Está passando mal? – perguntou Priscila

– Não, algo ou alguém está tramando contra mim. Quando isso acontece sinto a energia universal se direcionando para minha pessoa.

– Apesar de tudo, não tive como localizar, porque existe muita interferência aqui, a começar esse “montaréu” de pessoas de um lado para o outro e as ondas de rádio e TV. Temos que ficar de olho.

– Pelo menos esse seu sexto sentido nos é útil – opinou Priscila com ar de preocupada – acho que vou para casa hoje.

– Vamos voltar então para o departamento para pegar meu carro –ofereceu gentilmente Luan

– Não, eu vou a pé, posso te atrapalhar.

– Nem pensar. Te deixo em casa e seguirei até o Diário.

– Você é incansável, além de impossível! – disse ela e os dois caíram na gargalhada.

CONTINUA…

Por Alci Santos

O HOMEM IMPOSSÍVEL – A ASSASSINA – CAPÍTULO 2


CBR-HI-ASSAS-C02-(05/09/2012)

Avelar, Praça Kennedy…

– Calma Miller, eu estou chegando ai jajá – falou Luan agoniado no celular – Por enquanto vá fazendo a cabeça dele ai. As fotos já estão aqui. O que? Não se preocupe que vou chegar a tempo para a edição de amanhã. Ok, até mais.

– Que droga, toda semana é essa pressão por fotos. Desse jeito vou ter que mudar de trabalho.

Luan entrou no seu Pagani Zonda Roadster 2009 modificado para perseguições contra criminosos do dia a dia. Ele costuma a ajudar a policia na parte da noite, mas a mesma nem desconfia que ele é o Homem Impossível, fato conhecido apenas por sua parceira e amiga Priscila.

Luan tem um Pagani negro para trabalho e lazer

Luan tem poderes que na realidade atual o torna impossível de se caracterizar como um ser humano normal. Além dos poderes que serão mostrados futuramente, ele tem uma visão de seres que não se enquadram em serem gerados no planeta Terra, mas isso não é 100% certeza.

Delegacia de polícia de Avelar…

– Finalmente achamos uma vaga para você, mas no setor de casos insólitos – disse o delegado Ananias.

– Como é que é? Setor de casos insólitos? Você deve estar de brincadeira comigo.

– Sinto muito Priscila, mas é isso mesmo. Espero que você reconsidere e fique no seu cargo.

– Ao contrário, estou curiosa para resolver esses casos e já aviso que vou levar um parceiro externo comigo.

– Já sei aquele fotógrafo de meia tigela – falou o delegado com um tom de voz apertado.

– Ele é um excelente fotógrafo, o que mata é que ele é um pouco desorganizado, somente isso – falou ela defendendo o parceiro.

– Aviso que apesar de ele trabalhar com você, não poderei liberar armamento para ele, somente um distintivo de auxiliar.

– Pare com isso Ananias, libere pelo menos de Detetive adjunto.

– Porque eu faria isso Priscila? Como auxiliar ele terá que obedecer as suas ordens, já é suficiente.

– Porque se nós tivermos que nos separar em alguma ocasião, ele terá mais credibilidade, principalmente com os delegados regionais, principalmente porque não deveremos investigar somente em Avelar.

– Tudo bem, mas mantenha-me informado sobre os casos em que vocês trabalharem.

E assim ela sorriu e deu um abraço no seu chefe que gostou muito. Depois abriu a porta e foi até seu escritório pegar suas coisas. Agora iria mudar de setor e sua vida correria muito mais riscos.

CONTINUA…

Por Alci Santos

O HOMEM IMPOSSÍVEL – A ASSASSINA – CAPÍTULO 1


CBR-HI-ASSAS-C01-(30/08/2012)

Avelar, delegacia de policia…

– Eu já estou ficando irritada com esse amontoado de casos. Porque vocês não podem resolver sozinhos?

– Você sabe que é a melhor Priscila. Se o caso está aqui, é porque todos os outros não tiveram a competência de resolvê-lo – falou o delegado Ananias abrindo os braços.

A moça se dirigiu ao delegado e olhando-o bem nos olhos, disse apontando para uma grande pilha de pastas amontoadas próximas à parede:

– Querido chefe, temos esses casos todos para resolver, fora os que estão nos arquivos. Nossa divisão está sobrecarregada e isso está passando dos limites.

– Mas você é a mais competente para resolvê-los – disse o delegado de crista baixa.

– Você só sabe dizer isso Ananias? Eu já estou cheia disso tudo. Ou você me transfere para um outro setor, ou eu pedirei demissão.

– Você está brincando Priscila! Não posso aceitar sua demissão.

– Então me transfira para outro setor, nem que seja para trabalhar internamente.

– Não temos vagas em nenhum setor, todos estão lotados.

– Já tem um, este aqui. Transfira alguém para cá que eu assumo o lugar dessa pessoa. Não é possível. Nem para me transferir para outro setor vocês facilitam. Venha cá chefe. Sente-se nessa merda de computador  aqui e veja quem pode vir para cá. Com certeza você vai achar, nem que a cozinheira da policia venha para cá e eu vá para a cozinha.

O delegado Ananias sorriu e balançou a cabeça e pôs-se a procurar a vaga.

A policial Priscila é uma das principais policiais da cidade. Além de ser bem inteligente, a mesma atira como nenhum outro policial na cidade, o que a tornava muito bem querida por uns e odiada por outros. Já o delegado Ananias, apesar de ser um homem muito durão e totalmente justo, ele sempre baixa a crista para ela. Talvez tenha uma paixão secreta pela mesma.

 Diário de Avelar…

– Onde está Luan? Vou mata-lo se não chegar em três minutos

– O que foi B.J.? – perguntou um homem calvo com cara de surpresa

– O desgraçado ainda não apresentou as fotos de cobertura do assassinato do Supermercado Avelardense que tem que sair na edição de amanhã.

– Deve ter havido algum problema. Vou ligar para ele agora mesmo.

CONTINUA…

Por Alci Santos

O HOMEM IMPOSSÍVEL – A ASSASSINA – PRÓLOGO


CBR-HI-ASSAS-PRO-(13/07/2012)

Uma linda mulher trabalha em um dos maiores supermercados da cidade de Avelar. Ela recentemente foi admitida para testes. O período que já chega a um mês já está terminando e ela imprime grande esforço para ser admitida em definitivo. O esforço não foi em vão visto que vários colegas já a elogiaram por seu trabalho duro.

Certo dia, Nilza estava arrumando as prateleiras de um dos corredores que continham alimentos quando um homem a chamou.

– Nilza! Venha até o meu escritório pois preciso falar-lhe com urgência.

– Sim senhor.

A moça se dirigiu a uma porta que dava em um corredor. Neste corredor haviam várias outras portas , uma ao lado da outra separadas por poucos centímetros de parede.

Cada porta estava numerada e na porta numero oito ela parou. O homem entrou primeiro, depois ela seguiu.

O homem sentou-se em uma mesa onde havia um computador e disse:

-Estou analisando sua ficha. Seu período de experiência está terminando. Estou aqui decidindo se você permanecerá no emprego.

A moça fez uma cara de surpresa e perguntou:

– Meu serviço não está agradando?

O homem olhou nos olhos brilhantes da moça e disse:

Ao contrário, até agora você está sendo uma das melhores funcionárias que já trabalhou aqui neste supermercado. O problema está no fato que sua documentação é falsificada e eu como subgerente tive que averiguar entendeu?

– Sim senhor – falou a moça de cabeça baixa.

– Eu sei que você deve ter seus motivos Nilza.

– O senhor está certo, pois eu tive que sair de casa, pois meu pai estava sendo muito bruto comigo. Achava que tudo de ruim que acontecia com ele era por minha culpa. Mas mesmo assim, o senhor tem o direito de não me aceitar aqui.

– Nilza, eu não estou lhe despedindo. Eu vou manter você aqui trabalhando.

O homem levantou e passou sua mão direita carinhosamente no rosto da moça e após fez o mesmo dentro do seu decote. Quando ele passou a beijar o pescoço da mulher ela afastou-o e disse:

– Sr. Paulo pare.

O homem desconcertado, falou:

– Nilza, você não é obrigada a fazer isso se não quiser.

– Não é isso seu Paulo, é que aqui pode entrar alguém e ai já pensou o escândalo?

– Vamos então para o banheiro – falou o homem desejando-a.

– Se vamos mesmo fazer isso, seu Paulo é melhor irmos para o terraço.

– Tem razão Nilza. Lá é mais seguro.

Os dois então subiram para o terraço do prédio. Quando chegaram no local o homem queria ir logo aos abraços…

– Calma seu Paulo, vamos ver a paisagem que é tão bonita daqui de cima.

A mulher colocou a mão em sua cintura e ficaram na beirada do prédio observando a paisagem durante dois minutos. Foi então que ele a agarrou…

– Venha mulher que já não estou aguentando mais.

Neste momento ela aproveitou o descontrole do homem e deu um chute em seus “ovos”. O homem ficou sentindo dores terríveis.

– E agora ? está excitado? – perguntou ela sorrindo.

– Porque você fez isso? – perguntou agora ele.

– Para isso…

Em seguida deu um pontapé bem forte no homem que estava na beirada do prédio e caiu de cabeça no concreto da rua.

Ela em um sorriso maldoso exclamou.

– Um idiota a menos no mundo.

CONTINUA…

Por Alci Santos

SAUDADE


Tento esquecer que é um novo dia e você não veio

Sinto falar com as estrelas, um solitário do ar

Cada vez que sua imagem me aparece

O meu coração se entristece

Pois sua falta, me faz chorar

Fico lamentando o tempo todo e você não vem

Sinto a hora do regresso e choro novamente

Na esperança de poder te abraçar,

Amar você a noite inteirinha,

Deixa disso, vem logo pra cá

Pra me amar, fica comigo

Não consigo ficar sem você

Pra me amar, fica comigo

É um castigo viver sem você

Por Luiz e Durval Caldas

 

HISTÓRIA DI PESCADÔ


Presti atenção neste causo
qui eu vou lhes acontá
prumeto qui é um arrazo
eu inté qui posso jurá
pois nu meu coração trago
as marca du particulá

Olhem bem meus amigo
U qui faiz uma pescaria
podi ter os seus perigo
os qual eu num conhecia
intão ocorreu comigo
u qui eu num esperaria

Fui prum tar di cungresso
lá pelo sul deste país
mai num sabia…cunfesso
perante  vancê e us juiz
qui u meu maió sucesso
ia sê u di eu sê feliz

Num fui  pra pescaria
mais nun pude arresisti
quando vi uma guria
qui andava pur alí
foi apenas alegria
u que ness’ora senti

A prenda muito formosa
di um sorriso encantadô
andava faceira e airosa
nu meio dus corredô
arrisquei intão uma prosa
e a gente si apaixonô

Tevi hora di si afastá
i hora di ficá juntinho
( coisa du cabra  istranhá)
mai fumo indo devagarinho
i acabemo por si amá
muitu bem agarradinho

tem hora qui nessa vida
nois inté se aperreia
fica lambenu as ferida
nas noite de lua cheia
mas minha prenda é linda
prá mim a mais bela sereia

E foi assim qui aconteceu
u meu caso já tá contado
só quem o fato viveu
podi falá bem falado
i comigo assucedeu
ir pescá e ser pescado

Por Jorge Linhaça